Conferência eSocial debaterá mudanças na relação entre empregadores, empregados e governo

auditorio noticias

auditorio noticiasEvento acontece na manhã desta quarta-feira (04), no auditório da Asplan, em João Pessoa

A nova forma de apresentação dos dados fiscais e trabalhistas, batizado de eSocial, traz à tona uma grande preocupação das empresas com a qualidade das informações que armazenam em relação aos seus funcionários e que devem ser repassadas para o governo. Parte integrante do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) que integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, o eSocial  tem o objetivo de informatizar a relação entre Fisco e contribuintes, aperfeiçoar os trâmites de envio das informações e centralizar todos os dados relativos às obrigações trabalhistas. Para debater toda essa complexidade, o Consórcio eSocial, representado por órgãos e entidades do Governo Federal, com apoio da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), realiza nesta quarta-feira (04), a partir das 9h, a Conferência eSocial.

A partir do tema ‘Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo’, representantes da Caixa Econômica Federal, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Ministério da Previdência Social (MPS), Ministério do Trabalho e Emprego (TEM) e Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) vão debater os novos desafios que o eSocial impõe a 100% das empresas atuantes no país.

Considerado o mais complexo dos sistemas Público de Escrituração Digital, por exigir diversos tipos de transmissões que incluem o Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS, Informações à Previdência Social (Sefip/GFIP), o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf), a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) e Arquivos eletrônicos entregues à fiscalização (Manad), o eSocial vai impactar todas as empresas brasileiras, atingindo de maneira completa a infraestrutura tecnológica de todas elas.

“É uma mudança revolucionária que vai requerer das empresas, muita atenção, novos investimentos e mudanças de procedimentos”, esclarece o Técnico em Segurança do Trabalho da Asplan, Natanael Leal. Ele lembra que como parceira do evento, a Asplan cedeu seu auditório para realização da Conferência e também divulgou-o para os seus associados.