Dirigente da Feplana é homenageado na Norcana 2015

feplana dirigentes

feplana dirigentesO  presidente da Federação Nacional dos Produtores de Cana (Feplana), Paulo Leal, foi homenageado com a medalha do Mérito Canavieiro, pelos serviços prestados em defesa da manutenção e fortalecimento da cultura canavieira na Região Nordeste. A comenda, que premia personalidades do setor agroindustrial e do segmento político a cada edição da Norcana, foi entregue na segunda-feira (05), em Recife. O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, o vice-presidente, Raimundo Nonato, e os diretores Oscar Gouvêa e Pedro Jorge Coutinho, prestigiaram a solenidade.

E um dos oradores da solenidade, foi o vice-presidente da Asplan, Raimundo Nonato que, além de parabenizar e enaltecer a importância do reconhecimento do trabalho desenvolvido por Paulo Leal, na Feplana, destacando ser ‘muito justa e oportuna à escolha do homenageado’, também elogiou a retomada das atividades da Cruangi, enaltecendo ser esta iniciativa um estímulo para a revitalização do setor, também em outras localidades que não apenas Pernambuco. “Quando uma unidade que estava parada volta a operar, ela reascende a esperança, abre novas perspectivas e serve de exemplo para outras localidades, numa cadeia de soerguimento positiva em todo o setor”, disse Nonato, lembrando que essa reabertura é uma vitória de todos os produtores de cana do Nordeste.

A palestra do secretário estadual da Agricultura de São Paulo, Arnaldo Jardim, que falou  sobre políticas agrícolas direcionadas ao setor canavieiro, foi outro momento importante na Norcana. Jardim, que já presidiu o Fórum Parlamentar Sucroenergético no Congresso Nacional, falou sobre a crise que o setor enfrenta em nível nacional, com o fechamento de 83 unidades, atribuindo o agravamento da situação a uma diretriz nacional que chamou de ‘equivocada’. “A falta de uma política que regulamente minimamente o setor sucroenergético nacional e a decisão do governo federal de privilegiar o combustível fóssil, a gasolina, em detrimento do álcool, quebrou o setor, fechando inúmeras unidades industriais e deixando milhares de pessoas desempregadas”, disse ele.

Fonte: AFCP