Dirigentes de Associações ligadas ao setor canavieiro se reúnem nesta terça-feira (30) para discutir morosidade da liberação da subvenção

A portaria da Presidência da República que autoriza a liberação da subvenção da cana-de-açúcar e a equalização para o etanol, anunciada desde o dia 16 de maio pela equipe econômica do Governo Federal, ainda não foi publicada e a classe canavieira continua preocupada com a demora de recuperação de seus canaviais. Pensando em resolver o problema e pressionar o Governo para o fim dessa morosidade na liberação da subvenção, representantes de diversas entidades ligadas ao setor canavieiro nordestino estarão reunidos nesta terça-feira (30), no auditório da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). O encontro ocorrerá a partir das 10h.

Vale lembrar que em maio deste ano, quando esteve em Pernambuco, a presidente Dilma anunciou o pagamento de R$ 12,00 por tonelada de cana e R$ 0,20 por litro de etanol para quem apresentou perdas na safra passada durante evento na Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP). Segundo informações da associação de Pernambuco, a presidenta Dilma Rousseff, mesmo tendo anunciado o benefício, deixou de dizer, em Brasília, onde o Governo iria buscar o dinheiro. Agora a equipe econômica está propondo nova medida provisória para indicar a fonte financeira.

O pagamento da subvenção destinada ao produtor canavieiro do Nordeste será utilizado para amenizar o prejuízo de mais de 30% na queda da produção da safra, em função da maior seca dos últimos 40 anos. Segundo o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, os produtores de caba aguardam ansiosos a publicação do decreto. “Essa ajuda é muito significante para todos nós, que tivemos perdas consideráveis na safra passada, por isso estamos na expectativa da publicação do decreto que vai estabelecer os prazos e detalhes do pagamento”, disse Murilo.