Fiscais contratados pela Asplan já acompanham a moagem de cana-de-açúcar nas usinas da PB

fiscal cana usina

fiscal cana usinaO fornecimento de cana não sofre interrupção nas usinas

Sete das oito usinas sucroalcooleiras existentes no estado da Paraíba já deram início ao processo de moagem de cana-de-açúcar correspondente à safra 2013/2014, restando apenas a usina Pemel, que devem começar a moer nas próximas semanas. Para acompanhar esse processo, a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) capacitou e contratou 19 profissionais, que atuarão como agentes tecnológicos nas oito unidades até fevereiro de 2014, quando, provavelmente, a moagem será concluída. O trabalho dos fiscais começou no dia 17 de setembro, com o início da moagem na usina Monte Alegre. No último dia 19, eles começaram a fiscalizar a moagem nas usinas Agroval. As demais unidades receberão os fiscais no início de outubro, à medida que as indústrias forem moendo a cana dos associados da Asplan.

O treinamento do grupo de fiscais aconteceu entre os dias 19 e 23 de agosto, na sede da Asplan. Ao longo da capacitação, os agentes tecnológicos aprenderam a função de monitorar o cumprimento das normas técnicas estabelecidas entre empresas processadoras de cana e fornecedores. Na ocasião, eles receberam informações importantes referentes ao plano geral de fiscalização da safra 2013/2014 e tiraram todas as suas dúvidas a respeito do processo, desde a pesagem da cana-de-açúcar nas balanças de carga e o pagamento da cana de açúcar pela ATR (Açúcar Total Recuperável), até a trituração e a leitura do Brix (teor de sacarose) e da Pol (pureza do caldo extraído) da matéria-prima. Todos esses procedimentos estão relacionados à qualidade da cana do fornecedor da matéria-prima e, consequentemente, à remuneração que ele recebe das unidades industriais.

A fiscalização é realizada 24 horas por dia, em regime de escala, visto que o fornecimento de cana para as unidades industriais não sofre interrupção. A gerente administrativa da Asplan, Kiony Vieira, explica que para garantir a remuneração correta da cana dos fornecedores associados, a Asplan, além de oferecer o monitoramento de moagem nas usinas 24 horas por dia, mantém um laboratório devidamente equipado em sua sede para análise comparativa. “O objetivo da ação é aprimorar ainda mais a fiscalização, comparando amostras e exaurindo qualquer dúvida”, salienta a gerente, lembrando que os agentes também elaboram relatórios semanais e os enviam para a equipe responsável pela fiscalização na Asplan. Outros relatórios diários, quinzenais e de resumo de safra também são enviados ao Departamento Técnico da Asplan (Detec).

Todos os fiscais estão recebendo a supervisão de Edvam Silva, e do consultor e pesquisador da Universidade Federal Rural do Pernambuco (UFRPE), Francisco Dutra Melo, que também é o químico responsável pelo trabalho desenvolvido durante a safra. O presidente da Asplan, Murilo Paraíso, frisou que o trabalho de monitoramento desenvolvido em prol dos cerca de 1.800 produtores associados à entidade tem como objetivo garantir uma avaliação precisa da qualidade da matéria-prima fornecida às usinas. “Quem tiver ATR (açúcar) de sua cana abaixo da média, procure de imediato a Asplan, mais especificamente o Detec, que vamos estudar a causa para o baixo rendimento. O que não pode é o produtor achar que está sendo prejudicado ou achando que deveria ser melhor remunerado”, recomenda o dirigente da Asplan.