Fiscais da Asplan participam de treinamento para monitorar qualidade da cana dos associados nas usinas

A Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) começou nesta segunda-feira (31), o treinamento dos agentes tecnológicos que irão atuar nas usinas do estado durante toda a safra 2017/2018. A capacitação, que inclui aulas práticas e teóricas e ainda explanações in loco nas indústrias, é conduzido pelo consultor Francisco Dutra, pelo supervisor dos fiscais, Edvam Silva, pela analista do Laboratórios de Sacarose da Asplan, Josélia Félix, além do coordenador do Departamento Técnico da Asplan (DETEC), Vamberto Rocha. E coube a Vamberto, em nome da diretoria, dar as boas-vindas aos fiscais que vão acompanhar o processo de moagem de cana-de-açúcar nas usinas sucroalcooleiras existentes na Paraíba, entre o mês de agosto e janeiro ou fevereiro do próximo ano.

Na ocasião, o coordenador do DETEC falou da importância do trabalho dos fiscais, cujo principal objetivo é avaliar a qualidade da matéria-prima entregue pelos fornecedores, utilizando a fórmula da ATR (Açúcar Total Recuperado). “A precisão no trabalho dos fiscais, a partir de uma avaliação correta, assegura uma remuneração justa pela matéria-prima”, destacou Vamberto. Ele lembrou ainda que para se ter essa correta avaliação da cana é fundamental o domínio de conhecimentos técnicos e específicos. “Por isso, esse treinamento é tão importante para vocês”, enfatizou ele.

Em seguida, o consultor Francisco Dutra fez uma explanação do que é a Asplan, como ela funciona, incluindo detalhes dos vários departamentos da associação, com ênfase nas atividades e ações do Departamento Técnico, setor que coordena todo o trabalho de monitoramento nas usinas durante a safra. De acordo com o cronograma de capacitação, além da apresentação, no primeiro dia de treinamento foi abordado a primeira parte teórica do curso “Preparação de Agentes Tecnológicos para Operação no Monitoramento dos Laboratórios de Pagamento de Cana da Paraíba”.

Na próxima quarta-feira (02) será dada a complementação da teoria, no dia seguinte, os fiscais já irão para uma aula prática no laboratório da Asplan, que funciona numa sala do anexo da entidade, e na sexta-feira (04) será feita uma revisão de conteúdo. No dia 07, haverá a aplicação de uma prova para avaliar o nível de aprendizado dos agentes, cuja nota mínima, para ser admitido na equipe de fiscalização, será de 6,0 pontos. “A análise da cana para efeito de avaliação da remuneração é bem complexo porque é cheio de detalhes técnicos que precisam ser observados”, reitera Dutra.

Na próxima semana está programada a realização de visitas nas usinas para que os fiscais se familiarizem com a operação de equipamentos, tais como, a sonda e a balança da cana. A partir daí, segundo Edvam Silva, os fiscais começam a acompanhar a safra nas indústrias, na medida em que a cana dos associados for sendo entregue. No total, cerca de 20 fiscais estão participando da capacitação, que inclui normas e procedimentos que regulamentam toda a etapa de análise da matéria-prima no laboratório, além de noções específicas de informática. Nos dias 07 e 08 também está programada uma reciclagem com os profissionais veteranos, que já atuaram como fiscais em safras anteriores.