Governador Ricardo Coutinho visita unidade industrial Japungu e reitera seu compromisso com um setor vital para a economia da PB

ricardo visita

ricardo visitaA presença do governador Ricardo Coutinho em evento na última sexta-feira (27), na unidade industrial Japungu, em Santa Rita, evidenciou o entendimento da necessidade de o Governo do Estado estar atento às questões do setor sucroalcooleiro na Paraíba. Convidado pelo Sindicato da Indústria e Fabricação do Álcool (Sindalcool) e pela direção da unidades industrial, na oportunidade, o governador conheceu o processo produtivo desde a colheita da cana, irrigação até a produção do açúcar e do álcool e assistiu a peça de teatro Orgulho de ser Cortador”, encenada pela Cia Paraíba de Drama e Comédia, bem como também garantiu incentivos ao setor pela sua importância na economia e a geração de emprego e renda no estado. O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, também participou do evento junto com diretores da entidade.

Para o dirigente da Asplan, que representa mais de 1.700 fornecedores de cana no estado da Paraíba, o interesse do governador em conhecer os processos e a realidade do setor sucroenergético demonstrou que o governo reconhece a importância desta atividade econômica. “Na ocasião, o governador destacou a importância do setor na geração de receita e de mais de 40 mil empregos na indústria e outros milhares do corte de cana”, comentou Murilo, dizendo que como grande desafio do setor está a questão da irrigação. “Já que o governo reconhece o setor e sua importância econômica, precisamos nos unir para tratar da questão de forma essencial para seguir em frente em um momento de seca”, alertou.

Depois da apresentação da peça teatral, que focou a evolução das relações de trabalho no campo,  o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Sapé,  João Aldo, deu um depoimento reforçando essa mudança e ganhos dos trabalhadores no campo nos últimos anos, em relação às questões trabalhistas, às condições de atuação e de melhoria na relação patrões empregados. “Antigamente era difícil um trabalhador  fazer um salário mínimo. Hoje, de acordo com a produção, um cortador pode ter uma renda média de dois salários mínimos, além disso, as condições de trabalho melhoraram muito, hoje se tem transporte com segurança, EPI’s, descanso respeitado, etc”, disse.ele.

Além do presidente da Asplan, também estiveram presentes o diretor-adjunto e o diretor-tesoureiro da entidade, José Inácio de Morais e Oscar de Gouvêa, respectivamente. O proprietário da Japungu, José Bolivar; o secretário de Agricultura do Estado, Rômulo Montenegro, e os  presidentes da Faepa, Mário Borba,  e do Sindalcool, Edmundo Barbosa, além de trabalhadores da usina, também prestigiaram o momento.