Presidente da Asplan elogia elevação da mistura do etanol à gasolina

murilao

murilaoNo entanto, dirigente destaca a necessidade de uma discussão mais ampla sobre o setor sucroenergético nacional

A notícia de que o governo vai elevar a mistura de etanol anidro na gasolina de 25% para 27% na segunda quinzena deste mês animou o setor sucroalcooleiro paraibano. Segundo declarações à Imprensa do presidente do Sindicato da Indústria de Produção do Álcool da Paraíba (Sindalcool), Edmundo Barbosa, a demanda pelo combustível na Paraíba deve acrescentar 13,8 milhões de litros das usinas paraibanas este ano. O presidente do Sindalcool afirmou que a expectativa é a de que o aumento da mistura do etanol à gasolina, o Nordeste acrescente 172 milhões de litros/ano e no Brasil 1 bilhão de litros/ano. Diante desse cenário promissor, o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, elogiou a ação do governo federal.

“A determinação vai gerar uma expansão na produção do etanol e isso também impactará no preço da matéria-prima que produzimos. Estamos confiantes de que esse processo será muito benéfico para todos nós”, comentou o dirigente da Asplan, lembrando, porém, que esta é outra medida paliativa que não atende as reivindicações e necessidades do setor energético nacional. “A medida é boa, mas temos que ampliar a discussão sobre um setor importante para a economia nacional”, concluiu Murilo.

A proposta de elevação da mistura do etanol à gasolina foi acordada entre o setor produtivo e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e estava para ser apresentada, essa semana, à presidente Dilma Rousseff, a quem caberá a decisão final. Com a retomada da cobrança da Cide (imposto regulador sobre a gasolina) e a elevação do PIS/Cofins sobre a gasolina, que vão acrescentar R$ 0,22 ao preço do litro do combustível, uma elevação do álcool anidro na mistura deve aliviar essa alta de preço.