Presidente da Asplan elogia postura do Congresso Nacional na defesa de uma festa tradicional do Nordeste

muriloMurilo Paraíso se refere a aprovação do PL pelos deputados federais e senadores que torna a vaquejada manifestação cultural nacional e patrimônio cultural imaterial

“Os deputados federais e senadores estão de parabéns porque votaram favoráveis a um Projeto de Lei que além de preservar uma tradição cultural secular do Nordeste, ainda preserva empregos, a estabilidade do comércio e a geração de renda tão importante para nossa região já tão castigada pela seca e com poucas oportunidades no interior”, comemorou o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso. Ele se referiu a decisão do Senado que aprovou, no último dia 1º, um Projeto de Lei que torna a vaquejada manifestação cultural nacional e patrimônio cultural imaterial. O PL já tinha sido aprovado na Câmara, na semana passada, e agora segue agora para sanção do presidente Michel Temer.
Para Murilo, a decisão do Congresso, que deve ser referendada pelo presidente Temer, embora não regulamente a prática da vaquejada, com parâmetros e regras, abre um precedente importante para manter e valorizar essa tradição. “O PL, na realidade, é um preparativo para que o Congresso aprove, futuramente, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que libera a vaquejada e o rodeio como modalidades esportivas”, lembra Murilo.
“A vaquejada faz parte da cultura regional do Nordeste e de outras regiões do país, a exemplo do interior do Sudeste, é uma atividade econômica importante, que gera renda e emprego, e não pode ser extinta pelo equívoco de quem não conhece a prática atual que incluiu uma série de medidas de proteção que asseguram que os animais não sofram maus tratos durante a competições”, esclarece Murilo Paraíso.