Representantes canavieiros estão em Brasília para sensibilizar novos ministros da urgência do decreto regulamentador da subvenção

murilo paraiso

murilo paraisoO presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), Alexandre Lima, e outros dirigentes da entidade, já estão em Brasília para sensibilizar os ministros Kátia Abreu (Agricultura) e Joaquim Levy (Fazenda) a respeito da urgente liberação da subvenção da safra 2012/13 para 30 mil agricultores do Nordeste. A presidente Dilma Rousseff anunciou que só assinará o decreto que regulamenta as leis 12.999 e 13.000 (subvenção da cana e do etanol, respectivamente), após o aval dos novos gestores das respectivas pastas.

O primeiro encontro de Alexandre será com a ministra Kátia Abreu (Agricultura). O portal da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP) informa que ontem, dia 07, o dirigente conseguiu uma importante ajuda nesse processo. “Já conversamos com uma importante integrante da pasta e explicamos sobre do que trata o decreto, que, além de atender as leis 12.999 e 13.000, ambas de julho de 2014, atende a MP 666/14 onde libera R$ 622 milhões para o pagamento dos subsídios”, diz Alexandre Andrade Lima. A representante do governo garantiu que irá solicitar à ministra Abreu rapidez na assinatura do documento.

Segundo Alexandre, após a aprovação de Kátia Abreu, o próximo passo é sensibilizar o novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. “Somente depois da aprovação de Abreu e Levy, é que a presidente Dilma Rousseff assinará o decreto regulamentando as respectivas leis, para começar a liberação dos benefícios”, conta Alexandre Lima, frisando que recebeu a informação da Casa Civil.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, disse ter a melhor das expectativas quanto à aprovação dos ministros quanto à subvenção. “Além da presidente já ter assinado a Medida Provisória, que tem forma de lei, Kátia Abreu conhece bem a necessidade do setor e o Joaquim Levy, mesmo com uma postura mais rígida em relação aos gastos do governo, também sabe da importância do segmento sucroenergético para a geração de emprego e renda no nosso país. Por isso, acreditamos que o pleito será atendido rapidamente”, comentou Murilo.