Representantes de entidades produtoras da Paraíba entregam documentos a presidente Dilma Roussef com pleitos do setor

murilo dilma

murilo dilmaPresidenta disse que “tubo vai ser bem avaliado”, após receber documentação e conversar com presidente da Asplan, Murilo Paraíso

Antes da solenidade de entrega das chaves de um conjunto habitacional no Jardim Veneza, em João Pessoa, e após a cerimônia de entrega de 22 retroescavadeiras a prefeitos paraibanos, a presidente Dilma Roussef conversou com representantes do setor produtivo paraibano. O encontro, que motivou a suspensão da manifestação que produtores locais fariam na manhã desta segunda-feira (04), se deu em uma sala reservada, e durou poucos minutos, mas, o suficiente para que o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, acompanhado do deputado federal Efraim Filho e do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa), Mário Borba, entregassem vários documentos à presidenta e colocassem para ela a necessidade urgente desses encaminhamentos.

Um deles, por exemplo, diz respeito a manutenção do programa de subvenção da atividade canavieira no Nordeste do Governo Federal destinado para produtores de cana-de-açúcar da região. De acordo com o presidente da Asplan,  o governo já assegurou três vezes o pagamento da subvenção, que equivalia a R$ 5,00 por tonelada de cana-de-açúcar, até o limite de 10 mil toneladas por produtor. “Isso garantiu a sobrevivência dos produtores e a manutenção de 90 mil postos de trabalho no Nordeste”, argumenta o dirigente da Asplan, Murilo Paraíso. Ele entregou um documento a Dilma mostrando a importância da manutenção do programa, com cálculos que justificam o aumento do valor do subsídio de R$ 5,00 para R$ 10,00. Ainda de acordo com Murilo, o programa de subsídio permitiu que os pequenos e médios produtores obtivessem uma maior produtividade em suas lavouras em virtude de uma maior receita, propiciando melhores tratos culturais em seus canaviais.

A retomada das obras da transposição, a renegociação das dívidas dos produtores nordestinos, medidas mais efetivas de combate a seca e suas consequências na lavoura e no rebanho, foram outros tópicos do documento entregue pelos representantes da classe produtiva paraibana a presidenta. Dilma Roussef ouviu as reivindicações, afirmou lembrar do programa de subvenção do setor canavieiro e prometeu que estudaria os pleitos com atenção junto com a equipe de ministros. “Tudo será bem avaliado”, disse a presidenta, despedindo-se antes de subir ao palco principal da solenidade junto com autoridades paraibanas do poder executivo municipal e estadual e do legislativo estadual e federal, além de ministros e outras autoridades.

Para o presidente da Asplan, o encontro foi positivo. “Apesar de ter sido muito rápido, conseguimos entregar os documentos à presidente e ainda argumentar sobre a importância dos pleitos, principalmente, no tocante a manutenção da subvenção para a classe canavieira do Nordeste e para o desenvolvimento da própria região”, finalizou Murilo.