Representantes do Bradesco fazem apresentação de linhas disponíveis do Plano Safra para associados da Asplan

Com uma fatia de 26,6% do Produto Interno Bruto, responsável por 44% das exportações brasileiras e respondendo por 20% do mercado de trabalho nacional o setor do agronegócio tem um peso considerável, principalmente, quando se trata de volume de recursos movimentados. E o Bradesco conhece bem o potencial deste segmento e tem uma história de parceria com ele de muitos anos. E nesta quinta-feira (28), essa história foi lembrada por representantes da instituição bancária durante uma apresentação na Associação de Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), acrescida de informações sobre as inúmeras possibilidades de negócios que o banco oferece aos produtores, com ênfase, nas linhas disponibilizadas pelo Plano Safra 2011/2023 que destinou, este ano, R$ 340 bilhões para investimentos no setor.
Coube ao presidente da Asplan, José Inácio de Morais, abrir o encontro, realizado na sede da entidade, em João Pessoa. Ele destacou a relevância do setor para a economia local, regional e nacional e reiterou o importante papel do crédito rural no desenvolvimento da agricultura. “Nós somos o carro-chefe que vem salvando o país, nem durante a pandemia nós paramos de produzir, por isso não faltou alimentos. Nós somos a locomotiva do Brasil, mas precisamos de ‘combustível’ que é o crédito rural, ele é fundamental para o setor produtivo”, destacou o dirigente canavieiro. José Inácio fez uma breve retrospectiva sobre o crédito no Brasil, destacando o pioneirismo do Banco do Brasil, os recursos subsidiados do BNB que, segundo ele, têm a menores taxas, mas muitas restrições de acesso e a felicidade do setor de poder contar com a diversidade de instituições fomentando o agronegócio, a exemplo do Bradesco. “É salutar ter várias instituições no mercado, com diversas opções de crédito que mesmo com taxas similares, têm diferenciais de atuação”, reiterou ele.
O Gerente Regional de Agências na Paraíba, Luis Marcelo, falou do excelente potencial do Nordeste na carteira de negócios agro do Bradesco, destacou a Asplan como um celeiro de possibilidades de ampliação de negócios e reiterou que o Bradesco está de portas abertas para atender o produtor canavieiro paraibano. “Temos 49 agências no Estado, mais 121 postos de atendimento, as folhas de pagamento do governo estadual, além das prefeituras da capital e de Campina Grande, e grande capilaridade e agilidade”, destacou ele, reiterando que o banco atua com soluções em toda a cadeia do agronegócio e possui plataformas específicas para o segmento, uma delas instalada em Recife, desde 2019, com um olhar especial para os produtores de cana-de-açúcar.
O Gerente Agro, Douglas Delgado, foi quem apresentou as linhas de crédito destinadas ao pequeno, médio e grande produtor. O Pronaf, com taxa de 5%, é destinada a pequenos produtores com renda de até R$ 500 mil. Para os médios, de até R4 2,4 milhões de renda, há o Pronamp, com taxa de 8% ao ano e para os considerados grandes produtores, há a linha Demais, com taxa de 12% ao ano. Ele explicou que para custeio não há necessidade de projeto técnico, o que é exigido para investimentos em novas áreas agrícolas. Ele apresentou ainda diversas soluções para aquisição de máquinas e implementos, melhoria de infraestrutura, para projetos de irrigação, Inovagro, CPRF, além do contrato guarda-chuva para recursos acima de R$ 3 milhões.
Foi apresentada ainda a Linha ABC, via BNDES, que chamou especial atenção dos produtores por ser destinada a investimentos em áreas de rodízio de culturas, cujo prazo de carência é de até 60 meses, com taxa de 7% ao ano. O gerente fez ainda uma breve apresentação do check list dos documentos necessários para ter acesso aos recursos disponíveis que incluem a apresentação da matrícula do imóvel rural, o CAR, o ITR, o CCR, a ficha sanitária e a inscrição estadual. Também foi feita uma apresentação sobre as propostas da Bradesco Consórcios, que inclui bens móveis e imóveis.
O superintendente Nacional do Agro, Rinaldo Bachiega, que também integrou a equipe do Bradesco nesta apresentação na Asplan, reiterou que o banco não faz distinção entre clientes. “Quando a gente abre as portas de nossa instituição, nossas ofertas ficam disponíveis para todos e embora não consigamos ter as mesmas taxas do BNB, até porque nenhum banco privado tem recursos subsidiados pelo governo, nós temos vários diferenciais, sendo a agilidade e a vontade de atender nossos maiores diferenciais de mercado”, destacou o superintendente, agradecendo a direção da Asplan pela oportunidade de apresentar as soluções Bradesco para os produtores canavieiros da Paraíba.
O presidente da Asplan encerrou o evento agradecendo a disponibilidade da equipe do Bradesco e reforçou que a entidade estará sempre de portas abertas para receber qualquer instituição que se proponha a trazer soluções que melhorem a vida de seus associados. “Nós temos 65 anos de atuação, de uma cultura que sempre se reinventa, independente das adversidades, já chegamos a produzir 7 milhões de toneladas na safra de 86 e temos hoje uma produtividade, mesmo com adversidades climáticas e de solo, similar a do Sudeste, que hoje está em 80 toneladas, enquanto que aqui estamos com uma média de 70 toneladas. Portanto, somos uma boa ‘locomotiva’ e vocês têm o combustível que é o crédito”, brincou José Inácio. Esse foi o segundo banco a apresentar suas linhas de crédito este ano. O primeiro foi o Sicredi, na semana passada.