Segmento canavieiro procura o apoio de congressistas e do Governo Federal para aprovação de subvenção econômica

comrenan

comrenanFoi com o objetivo de levar uma proposta de continuidade do Programa de Subvenção Econômica paga em caráter emergencial aos produtores de cana do Nordeste que uma comitiva da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida) – composta por presidentes de entidades representativas do setor, inclusive o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, e o vice-presidente da Associação, Pedro Jorge Coutinho – visitaram parlamentares e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, nos dias 26 e 27 de fevereiro. A ideia é buscar o apoio do Congresso Nacional e do Governo para garantir o pleito do setor contra os prejuízos da seca na região.

Durante a visita ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ocorrida na terça-feira (26), os representantes do segmento canavieiro apresentaram a proposta de liberação de R$ 10,00 por tonelada de cana produzida durante a safra 2012/2013 ao invés de R$ 5,00 como foi em anos anteriores. O objetivo, segundo o presidente da Asplan, Murilo Paraíso, é garantir a recapitalização do produtor de cana para que ele possa investir na próxima safra. “Estamos querendo que a proposta de continuidade e reajuste do valor seja votada rapidamente no Congresso porque o produtor tem pressa para plantar”, afirmou o presidente da Asplan.

Junto a outros dirigentes de associações do Nordeste, o presidente da Asplan, Murilo Paraíso, também visitou, na quarta-feira (27), o gabinete do ministro Mendes Ribeiro Filho, que afirmou trabalhar em conjunto com o Congresso para minimizar as perdas dos produtores. “Conversamos com o ministro, mostramos a ele nossa situação e entregamos um documento detalhando nosso pleito e justificando a necessidade do pagamento para o equilíbrio da atividade”, disse Murilo, lembrando que nos últimos meses, a cultura da cana na região sofreu grandes reduções provocadas pela estiagem.

Na pauta do Congresso, o pleito dos produtores de cana deve ser incluído na Medida Provisória 587/2012 em forma de emenda. A MP 587 apresenta dispositivos de compensação apenas para produtores rurais atingidos pela estiagem que plantam feijão, milho, arroz, algodão ou mandioca. A emenda à MP ainda está sob a avaliação da comissão mista no Congresso Nacional. “Os plantadores de cana do Nordeste estão endividados, por isso é necessário a inclusão deles na MP 587. Espero que os parlamentares compreendam a situação e votem pela aprovação de nossa subvenção”, finalizou o presidente da Asplan, Murilo Paraíso.

Além de Murilo Paraíso e do vice-presidente da Asplan, Pedro Jorge Coutinho, também participaram dos encontros em Brasília os presidentes da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar, Gerson Carneiro Leão, da Associação de Forneceres de Cana de Alagoas, Lourenço Lopes, e da União Nordestina dos Produtores de Cana (UNIDA), Alexandre Andrade. Também esteve presente o segundo vice-presidente da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco, Paulo Guilherme Guedes de A. Lima.