O Brasil não está preparado para o aumento da demanda por etanol que se elevará bastante até 2020

Dados da Datagro, uma das maiores consultorias de etanol e açúcar do mundo, apontam que o Brasil pode precisar de até 1,4 bilhão de toneladas de cana-de-açúcar em 2020 para atender à sua demanda, principalmente por etanol. O panorama foi apresentado na última sexta-feira (05) pelo presidente da  Datagro, Plínio Nastari, em Londres. Segundo a consultoria, na safra 2012/2013, o Brasil produziu 588,2 milhões de tonelada de cana-de-açúcar. Nas estimativas de Nastari, para os próximos anos, o país terá que produzir pelo menos mais um bilhão de toneladas de cana em 2020 para atender ao aumento da demanda por combustível provocado especialmente pelo uso do etanol na frota brasileira de veículos.

Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, esse é um cenário já esperado pelos canavieiros diante da falta de incentivo para a produção de cana no país. “A falta de uma norma reguladora do setor que permita o abastecimento interno de combustível com folga e a carência de políticas públicas para resguardar o setor em meio às crises causadas por secas e pelo baixo preço de comercialização da cana serão os principais motivos que nos levarão a essa lacuna. E isso tende a piorar com a importação de gasolina que também tende a crescer por falta de etanol”, alertou o dirigente da Asplan

Ainda de acordo com a Datagro, em um cenário menos otimista, com 40% da frota brasileira utilizando etanol a demanda será de um bilhão de toneladas de cana em 2020. Em um cenário intermediário, com uso do combustível por 60% dos carros que circulam no Brasil, a demanda alcançaria 1,2 bilhão de toneladas. O cenário projetado para a demanda de 1,4 bilhão de toneladas de cana, conforme o presidente da  Datagro, Plínio Nastari, é para o caso de o etanol ser a opção de 80% dos veículos no Brasil em 2020.