Plano Safra 2013/2014 do BB traz mudanças positivas para o produtor rural

cana estrada

cana estradaMais investimento para a renovação de canaviais e para as  operações de custeio de safra com taxas de juros mais baixas. Essa é a garantia do Banco do Brasil (BB) com o anuncio, no início de julho, de seu plano de crédito rural para financiamento de agricultura familiar, empresarial e cooperativas para a safra 2013/2014. Segundo o assessor da Superintendência Varejo e Governo da Paraíba do Banco do Brasil, Silvânio Alves, as principais novidades do Plano Safra do BB para este ciclo são a redução dos juros para as linhas de crédito Pronaf/Custeio, com faixas de 1,5% ao ano até 3,5%, dependendo do valor tomado, e a elevação nos limites para contratação no programa que agora é de até R$ 100 mil.

Além disso, o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural – Pronamp passa a abranger aqueles produtores com renda bruta anual de até R$ 1,6 milhão, diferente do último ciclo, quando o programa beneficiava aqueles com renda mínima de R$ 800 mil ao ano. Os limites por beneficiário por safra também subiram para R$ 600 mil no custeio, com elevação do teto em 15% para inscritos no CAR – Cadastro Ambiental Rural e taxa juros de 4,5% a.a. Já o Pronamp para Investimento, o limite de financiamento é de até R$ 300 mil por beneficiário ao ano com taxa anual de juros de 4,5%.

E para a contratação do PRONAF Mais Alimentos, o BB também tem novidades. Agora, as operações individuais vão até R$ 150 mil (antes era de até R$ 130 mil). Para contratação coletiva, as operações são de até R$ 750 mil, ampliando as possibilidades de financiamento para a irrigação e construção, reforma e ampliação de benfeitorias e instalações permanentes.

Já nas operações de Custeio agrícola contratadas com a vinculação do PROAGRO, Silvânio Alves afiança que o Banco do Brasil também reduziu o valor mínimo para a apresentação de laudos de análise do solo. “Agora, esse valor passou a ser de apenas R$ 5 mil. Antes era a partir de R$ 8 mil. Assim, recomendamos que os produtores realizem a análise de solo das áreas exploradas o quanto antes para acessar o beneficio”, destacou o assessor do BB.

Para a aquisição de máquinas e equipamentos, o Banco do Brasil também aumentou o valor do bem usado, que passou de R$ 40 mil para R$ 50 mil, tendo sido mantido o tempo de uso do bem, que é de até 10 anos. Na agricultura empresarial, o BB também trouxe algumas mudanças.  Entre elas, o teto de recursos controlados para custeio, que passou para R$ 1 milhão por beneficiário. O segmento empresarial também conta com seguro de produção pelo Proagro, além do Seguro Agrícola.

Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, os produtores devem se interessar em conhecer cada plano oferecido, visto que as taxas de juros foram reduzidas e pode ter algum programa que sirva ao seu interesse. “Embora ainda não seja o ideal, porque precisamos mesmo é de políticas públicas de permanente incentivo à produção, o plano safra é uma saída para quem ainda pode investir em sua cana”, disse o dirigente.

Recursos destinados

Representantes do Banco do Brasil informaram, no dia 1º de julho, durante o lançamento do Plano Safra da instituição, que vai destinar R$ 70 bilhões para as operações de crédito rural na safra 2013-2014 – um aumento de 27% em relação a safra anterior que foi de R$ 55 bilhões. Os produtores empresariais e cooperativas rurais poderão contar com R$ 56,8 bilhões para incrementar sua produção, enquanto que a agricultura familiar terá R$ 13,2 bilhões em crédito para a próxima safra, o que representa um aumento de 30% em relação ao total aplicado na safra passada, que foi de R$ 10,5 bilhões.

Essas informações estão no link http://www.mundocoop.com.br/destaque/r-70-bi-destinados-ao-plano-safra-do-banco-do-brasil-para-2013-2014.html.