Vice-presidente da Asplan prestigia evento que marca o início da segunda moagem da Coaf/Cruangi

nonatoA segunda moagem da Usina Cruangi, depois de sua reativação no ano passado, deve começar no próximo dia 25. A previsão da unidade, que é administrada pela Cooperativa da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (Coaf/AFCP), é de esmagar 430 mil toneladas na atual safra. E para marcar o reinício das atividades e estimular mais produtores a destinarem a matéria-prima para a unidade, a Coaf promoveu, na última quinta-feira (04) um almoço com palestras para seus fornecedores cooperativados. O vice-presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Raimundo Nonato, que também forneceu para a Cruangi na safra passada, participou do evento. A Cruangi fica em Timbaúba, na Zona da Mata Norte de Pernambuco.

O evento contou com a participação do presidente da Coaf e da AFCP, Alexandre Lima, além da presença de toda a diretoria dessas entidades, do presidente do Sindicato dos Cultivadores de Cana, Gerson Carneiro Leão; o prefeito de Timbaúba, Junior Rodrigues, e também representantes do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), entre outras autoridades. Durante o evento foi abordado a importância dos cooperativados continuarem a fornecer cana para a moagem da usina Coaf/Cruangi nesta safra.

Para Nonato, que foi citado por Alexandre como exemplo de apoio à consolidação do projeto Cruangi, já que forneceu cana para a unidade, mesmo sua propriedade ficando 82 km de distância, esse tipo de apoio é fundamental.  “A Cruangi se consolidando, será mais uma opção para o produtor canavieiro destinar sua cana”, destaca ele, que estuda a possibilidade de fornecer novamente cana para a Cruangi. “É importante essa contribuição do produtor porque a reativação desta unidade industrial já começou a mudar a realidade no entorno da mesma, através da geração de empregos, realização de novos negócios, enfim, com novas e boas perspectivas para o setor”, disse Nonato, que no ano passado destinou 1300 toneladas de cana para moagem. “Foi uma forma singela de dar minha contribuição para que tudo desse certo”, finalizou Nonato, lembrando que a unidade é importante tanto para produtores da zona da Mata Norte de Pernambuco, como da Zona Sul da Paraíba.